Sábado, 2 de Maio de 2009

Original vs Dobrado

 

Se há alguma coisa em que os DVD´s encostam tudo o resto a um canto, é nas imensas possibilidades de legendas e idiomas com que se fazem acompanhar. Porém no cinema as coisas ainda não estão (e duvido muito que alguma vez cheguem a estar) tão acessíveis quanto à partida podem parecer. Talvez por isso seja cada vez mais frequente encontrar filmes (não só no cinema mas também na televisão), dobrados na nossa tão estimada língua mãe. Esta é uma ideia já seguida por muitos países, nos quais tudo é dobrado. Eu até concordo que é uma ideologia algo idílica e até patriótica, de vermos (bem neste caso ouvirmos) tudo na nossa língua, e não vejo portanto, qualquer problema nisso, até porque como diz o ditado, “com o mal dos outros posso eu bem”. Felizmente este “patriotismo” ainda não chegou cá. Por outro lado se não existissem dobragens eu não poderia contemplar pérolas como as do “Shrek 2” com o seu “fosga-se” (facilmente confundido com outra palavra e que deixou o cinema em absoluto silêncio), ou com as dos “The Simpsons” (filme aliás que não consigo escolher nenhuma em concreto pois todo ele é uma verdadeira pérola… do riso).

 

Não se entenda com isto, que eu estou contra a dobragem de um filme, pois não é de todo esse o caso. Dão emprego a muitos (e bons) actores (aqueles que actualmente vão sendo – carinhosamente – substituídos por figuras publicas), não deixa de ser uma mais-valia para algumas editoras e no fundo há que dizê-lo, existem algumas boas dobragens para Português. É importante referir que no nosso prezado país, os filmes que sofrem dobragem, são na grande maioria de animação. De facto actualmente parece que existe, ou paira no ar, uma espécie de obrigatoriedade em dobrar filmes de animação. E também contra isso nada tenho a dizer. Se a animação é por norma constituída por bonecada e afins, o filme deve realmente conter uma versão em Português para os mais pequenos acompanharem (ou tentarem, visto que este tipo de filmes é cada vez mais para adultos e não para crianças).

 

O que eu já não posso e consigo concordar, é as distribuidoras disponibilizarem apenas cópias de filmes dobrados. Foi o caso do recente “Wall-e”, que salvo erro, possuía apenas duas cópias do filme legendado (original) … em Portugal. Como se isso não bastasse, na grande maioria das vezes, na mesma cidade não se consegue encontrar uma sala que tenha disponível a versão original. Isto é inaceitável. Sessões (por exemplo) durante o período da tarde com a versão dobrada – estou totalmente de acordo – agora na sessão da noite não terem a versão original é no mínimo chamarem-nos a todos de crianças. Elas têm os seus direitos e nós temos os nossos, e só assim por acaso e para os mais distraídos, pagamos bem mais que elas! É claro que estes seres, normalmente amorosos, não tem culpa nenhuma desta situação, mas nós também não.

 

No fundo penso que todos gostamos de consumir um produto no máximo da sua originalidade. E o cinema não foge à regra. Todo o filme, a começar pelos desenhos (no caso da animação), é concebido a partir das vozes. Aliás é recorrente gravarem-se as vozes em primeiro lugar, o que faz com que muitos dos aspectos – físicos, psicológicos ou emocionais – surjam de forma espontânea da performance do actor no processo de dobragem, o que resulta muitas vezes em composições bastante próximas da perfeição, como é o caso de Eddie Murphy com o seu “Burro” em “Shrek”. Indo um pouco mais longe, as vozes no original são trabalhadas num contexto próprio e isso só por si, determina e define a existência de um espaço delineado da narrativa e da acção de qualquer personagem, facto que não se consegue alcançar na dobragem. Prova disso, são as necessárias adaptações a piadas (como é o caso de um episódio de “Dragon Ball” em que a determinada altura, um dos personagem deixa escapar a frase, “vamos ao estádio das antas?!”), provérbios etc., que muitas das vezes, na nossa realidade simplesmente não tem força, piada ou até espaço para existirem.

 

Contudo reconheço que as dobragens em Portugal têm melhorado significativamente. Da mesma forma se denota um maior cuidado de composição e interpretação por parte dos actores. Mas é no fundo, um trabalho quase inglório, aquele em que é necessário adaptar uma voz a um corpo que por muito que se tente, nunca deixa de ser e de se apresentar como um objecto “estranho”. Será certo para muitos que as dobragens podem ser igualadas aos originais, mas também é certo para mim que muito dificilmente o vão suplantar. E mais uma vez recorrendo a uma frase feita (que não passa disso mesmo), se “o que é nacional é bom”, o que é original tende a ser bem melhor.

 

E é definitivo, mesmo no fim de toda esta exposição de ideias, não consigo esquecer a voz que deram ao meu querido Homer na versão portuguesa do “The Simpsons – The Movie”. Agora vou ter pesadelos a semana toda…
 

Até para a semana!

publicado por OlharCrítico às 13:24
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

posts recentes

Férias… Palavras para quê...

Excelência nas editoras?!...

Onde pára a Originalidade...

Crítica: "Transformers 2:...

Nunca um ADEUS mas sim um...

O TERROR, o drama, a emoç...

Novos posters de "Sherloc...

Trailer (do caraças) de "...

Futebóis

Crítica: "Terminator Salv...

"Iron Man 2": 1ª foto de ...

Trailer de "500 Days of S...

Crítica: "Six Feet Under"

Venha daí o CLICHÉ pois e...

Sam Worthington em "Clash...

Ora digam lá, o que é mai...

David Carradine (1936-200...

Teaser de "[REC-2]"

E Viva lá TV!!

Livros e Cinema (serão as...

arquivos

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

links

votações

Melhor Bond...James Bond

Melhor Serial Killer

Melhor Filme de Natal

Melhor Filme de Super-Heróis

Melhor Actor Secundário

Melhor Filme Romântico

Melhor Série de TV actual

Melhor Transformação Física

Melhor Dupla de Cinema

Actor de TV mais sexy

Actriz de TV mais sexy

Melhor Monstro

Melhor Blockbuster

Melhor Actor Actual de Acção

Melhor Temporada do 24

Melhor Filme de Quentin Tarantino

Expectativas para o The Dark Knight

Melhor Filme de Steven Spielberg

subscrever feeds