Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Crítica: "Angels & Demons"


 Classificação:  (6/10)

 

 

Falar de “Anjos e Demónios” sem me remeter ao livro ou até mesmo a “Código da Vinci” é impossível. A primeira porque, basearmos um filme numa obra literária com tanto sucesso obriga, ainda que de forma breve, a uma comparação entre os dois mundos, o literário e o cinematográfico. A segunda porque Ron Howard achou por bem colocar “Anjos e Demónios” cronologicamente posterior a Código da Vinci, quando nos livros, apesar de por cá ter sido editado depois, “Anjos” temporalmente anteceder ao “Código”. É também importante referir que cinematograficamente “Código Da Vinci” era um tremendo e evidente falhanço a vários níveis, com prestações desinspiradas por parte dos protagonistas e uma realização infeliz e incompetente. Se no “Código” as minhas expectativas eram grandes, para “Anjos e Demónios” (o meu livro favorito e na minha opinião o melhor que Dan Brown escreveu), simplesmente não existiam. Por outro lado a minha atenção e espírito crítico iam apurados, ainda para mais quando toda a equipa técnica se repetia.

 

Posto isto, esta nova aventura de Robert Langdon (Tom Hanks) é claramente superior ao seu antecessor. Tem um elenco que no geral está melhor dirigido que resulta em melhores interpretações, ainda que Tom Hanks fique muito aquém daquilo que já nos habitou na sua construção de personagens, deixando mais uma vez Robert Langdon, como uma máquina de debitar texto, sem grande emoção ou sentimento evidente. A protagonista tem um papel pouco evidenciado, e ao contrário do livro é deixada para um plano mais secundário. Fica mais uma vez a sensação que o papel feminino não foi devidamente explorado, não reflectindo a importância implícita que nas obras literárias nos foram apresentados. Ewan McGregor é uma agradável surpresa pois deixa-nos com uma interpretação muito positiva, sentida e emocionante que acaba por ser a grande mais-valia deste filme.

 

“Anjos e Demónios” possui um ritmo muito mais cativante, envolvente e frenético (que transparece a sensação de que passou rápido). O argumento é assim mais eficaz, e não provoca os incessantes e repetitivos bocejos de o “Código”. Tem mais acção, aproxima-se mais do espírito narrativo que o livro apresenta e como disse anteriormente a prestação dos actores favorece e é muito favorecida neste jogo de ritmos, presentes no argumento. Quanto à questão de cinematograficamente se tratar de uma sequela, não acho relevante na história, mas pode demonstrar alguma dificuldade em contextualizar a mesma. Isto leva-me ao final do filme. Eu compreendo e aceito que tenham que existir “alterações” para que um objecto literário seja adaptado ao cinema, o mesmo já não posso aceitar, quando se retiram ideias (explícitas) no livro, apenas porque “poderão” ser polémicas. E quem leu o livro, e viu o final do filme, sabe a que me refiro. A importância do Camerlengo e do papa que morreu é muito maior, muito mais pertinente e polémica do que aquela que nos é mostrada no filme. E isso não se trata de pequenas adaptações mas sim de uma tremenda falta de coragem.

 

Tecnicamente “Anjos e Demónios” é também superior ao seu antecessor. Não cai com tanta facilidade em erros de palmatória como anteriormente. Apresenta uma montagem mais cuidada, tal como a construção dos planos que é mais reflectida. Os efeitos digitais utilizados resultam na maioria das vezes, e é natural que tenha sido necessário recorrer a eles, devido às conhecidas dificuldades de alguns dos locais onde seria necessário gravar. A música, de Hans Zimmer, é desta feita mais inspirada e envolvente. Deixou de ser um acompanhamento com um objectivo de embalar (no sentido mais literal da palavra) o espectador e passou a ser uma obra com mudanças de ritmo e tom, que se adequam na perfeição à imagem que consegue enquadrar e contextualizar com primor e rigor o que o filme pretende transmitir, tendo inclusivamente o cuidado, de criar silêncio em certos momentos, para que toda a atenção recaia sobre o actor ou situação que está a acontecer na tela.

 

Resta-me portanto falar da realização. E ver um filme de Ron Howard, é ver tudo aquilo que já foi feito e ainda por cima com a filosofia do “politicamente correcto”. Não é capaz de apresentar uma única ideia de cinema nova, nem um plano que se possa dizer, “isto é de Ron Howard” porque simplesmente limita-se a passar um texto para imagem, onde não existe uma concepção de mise en scène (encenação), onde tudo é feito a uma velocidade de cruzeiro, onde tudo acontece sempre de uma forma inquietantemente rotineira e demasiado previsível. Desde “A Beautiful Mind” (2001) que nada muda no cinema deste realizador. Não há evolução. E ver um filme com alguns anos é em tudo igual a ver um filme mais recente. Os mesmos planos, a mesma desconstrução dos mesmos, a mesma linha narrativa e exactamente a mesma forma de filmar.

 

Em suma, é um filme, no geral, superior ao primeiro e que considero ser “agradável”. Mas que da mesma forma não deixa de nos causar desilusão, deixando aquele sentimento que tantas vezes já aqui falei, de que “falta qualquer coisa”. Falta alma, coração e empenho ao invés do registo tantas vezes já visto neste tipo de cinema/ género. Aliás, se virmos bem as coisas, qual foi a razão para tamanho sucesso dos livros? Precisamente porque traziam algo de novo, eram originais, provocadores, bem escritos e envolventes (independentemente de gostar ou não). Não há propriamente nenhuma fórmula de sucesso, há boas obras ou obras menos boas. Apesar de tudo isto, tenho a certeza que vai ser um sucesso, pelo menos comercial, e segundo a mentalidade que por cá anda (e que não deveria andar), isso é sinónimo de um excelente filme. Ainda que volte a dizer, é um filme que se vê bem e que portanto não posso deixar de aconselhar, claro sem esquecer o balde de pipocas. Para todos aqueles que não leram ou conhece o livro, o filme vai muito provavelmente ser, uma obra bastante mais interessante e de qualidade.


O MELHOR: O ritmo do filme e a evidente aproximação ao estilo dos livros, no contexto cinematográfico.

 

O PIOR: Um filme sem alma onde não somos confrontados com nada que já não tenha sido feito ou visto.

 

tags:
publicado por OlharCrítico às 19:19
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

FILMES: 2009

Angels & Demons

Choke

Gran Torino

O Contrato

Slumdog Millionaire

Terminator Salvation

The Watchmen

The Wrestler

Transformers 2: Revenge of The Fallen

 

 

FILMES: 2008

007-Quantum of Solace

10.000 BC

Burn After Reading

Eagle Eye

Hancock

I Am Legend

In The Valley Of Elah

Indiana Jones & The Kingdom of The Crystal Skull

Iron Man

Mamma Mia!

Max Payne

Meet the Spartans

Mirrors

National Treasure 2 - Book of Secrets

No Country for Old Men

Saw 4

Taken

The Curious Case of Benjamin Button

The Dark Knight

The Forbidden Kingdom

The Mist / Cloverfield / REC

The X-Files-I Want to Believe

Tropic Thunder

Untraceable

Wall-E

You Don't Mess With the Zohan

 

 

FILMES: 2007

1408

300

American Gangster

Beowulf 3D

Corrupção

Die Hard 4.0

El Laberinto Del Fauno

Fantastic Four 2

Ghost Rider

Ocean´s 13

Piratas das Caraíbas 3

Rocky Balboa

Shrek 3

Sicko

Spider-Man 3

The Bourne Ultimatum

The Brave One

The Good Shepherd

The Simpsons Movie

The Transformers

Wild Hogs

Zodiac

 

 

FILMES: 1980-1989

Aeroplane

Big

Look Who's Talking

 

 

"Indivíduas" do Sexo Feminino

O Estranho Caso… das Traduções de Títulos

Let´s Look At a Trailer… Or Not…

Xô Publicidade Xô!!!

Cinema Português… Para onde vais tu?

País de Brandos Costumes... Pipocas ou McDonald's?

Ò tempo, volta para trás! (Já baixavas os preços do cinema não?)

"Filmes para Maiores de…"

"Original vs Dobrado"

"Livros e Cinema (serão assim tão diferentes?)"

"E Viva lá TV!!"

"Futebóis"

"O TERROR, o drama, a emoção… e por aí fora"

"Nunca um ADEUS mas sim um ATÉ JÁ!"

"Onde pára a Originalidade e a Imaginação?!"

"Excelência nas editoras?! – É raro, muito raro!"

"Férias… Palavras para quê?!"

tags

todas as tags

posts recentes

Férias… Palavras para quê...

Excelência nas editoras?!...

Onde pára a Originalidade...

Crítica: "Transformers 2:...

Nunca um ADEUS mas sim um...

O TERROR, o drama, a emoç...

Novos posters de "Sherloc...

Trailer (do caraças) de "...

Futebóis

Crítica: "Terminator Salv...

"Iron Man 2": 1ª foto de ...

Trailer de "500 Days of S...

Crítica: "Six Feet Under"

Venha daí o CLICHÉ pois e...

Sam Worthington em "Clash...

Ora digam lá, o que é mai...

David Carradine (1936-200...

Teaser de "[REC-2]"

E Viva lá TV!!

Livros e Cinema (serão as...

arquivos

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

links

votações

Melhor Bond...James Bond

Melhor Serial Killer

Melhor Filme de Natal

Melhor Filme de Super-Heróis

Melhor Actor Secundário

Melhor Filme Romântico

Melhor Série de TV actual

Melhor Transformação Física

Melhor Dupla de Cinema

Actor de TV mais sexy

Actriz de TV mais sexy

Melhor Monstro

Melhor Blockbuster

Melhor Actor Actual de Acção

Melhor Temporada do 24

Melhor Filme de Quentin Tarantino

Expectativas para o The Dark Knight

Melhor Filme de Steven Spielberg


Locations of visitors to this page

 

 

subscrever feeds